Como pular corda? Dicas para quem quer começar

como pular corda

Pular corda deixou de ser uma brincadeira de criança para fazer parte das academias e estúdios de CrossFit há um tempo. Mas será que ela é realmente uma boa opção de atividade para todo mundo? Pensando nessas e em outras dúvidas a respeito do equipamento e como pular corda, consultamos dois especialistas. Veja só:

Quais são os benefícios da modalidade?

Pular corda é considerada uma atividade aeróbica – o que significa que ela está relacionada ao aumento da frequência cardíaca, condicionamento físico e alta queima calórica. Tudo isso já é muito benéfico para o coração em si, mas ainda tem um efeito interessante para quem quer emagrecer.

E pode até parecer fácil, mas a prática exige muito da nossa parte cerebral também. “É preciso ter equilíbrio, coordenação motora, foco e concentração suficiente para estar com o abdômen contraído e a postura ereta durante toda a realização do treino”, explica o profissional de educação física Willians Carmo, do Grupo Bio Ritmo.

Sem contar que a corda exige que você trabalhe o corpo todo. “Apesar de ser menos intensa para os membros superiores, os inferiores, como pernas e panturrilhas, são acionados o tempo todo”, complementa a cardiologista Renata Castro, especialista em medicina esportiva, de São Paulo.

Spinnng emagrece?

Os melhores exercícios para emagrecer

Para quem ela não é indicada?

Vale lembrar que todo esporte que envolve saltos traz um certo impacto para as articulações dos joelhos, quadril e tornozelos. Com a corda não seria diferente. “Ela ainda oferece menos riscos que uma corrida intensa, por exemplo, porque os pulinhos são bem baixos e o peso do corpo é dividido entre os dois pés, e não colocado somente em um”, diz a médica.

Mesmo assim, pessoas lesionadas ou com problemas crônicos nas articulações devem evitar a modalidade. Assim como as obesas ou com sobrepeso, uma vez que acabam sobrecarregando essas partes do corpo. O ideal, conta Willians, é que haja muito fortalecimento e acompanhamento profissional para quem está pensando em começar.

Como fazer agachamento corretamente e evitar lesões

Idosos e gestantes também precisam ter cuidado redobrado ao executar os movimentos, já que seus centros de gravidade podem estar comprometidos. Perder o equilíbrio ao pular corda, infelizmente, é muito fácil. Nesses casos, os dois profissionais recomendam fazer a “corda imaginária”: dar pequenos saltos no lugar sem o equipamento.

Já quem tem problema cardíaco pode pular corda, desde que siga as recomendações exigidas em quaisquer esportes: é necessário um acompanhamento médico e de treinamento, não é recomendado realizar a atividade todos os dias (sem descanso) e é preciso apostar nos intervalados pelo menos no início (executar 1 minuto, descansar 1 minuto).

Qual a frequência e quantidade ideais para ver resultados?

Willians afirma que 30 minutos de corda queimam até 300 calorias. Mas os resultados costumam aparecer entre 45 e 90 dias porque variam bastante de pessoa para pessoa. “A orientação geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que façamos 150 minutos de exercícios aeróbicos moderados ou 75 minutos de intensos por semana para não sermos considerados sedentários”, explica Renata.

Ou seja: você precisa de 15 a 30 minutos por dia de segunda a sexta-feira para obter alguns dos benefícios da corda!

E para quem quer começar?

A primeira dica é meio óbvia, mas necessária: compre uma corda! Existem atualmente uma grande variedades no mercado. “Os modelos mais antigos são feitos de nylon. Mas já existem versões em PVC (plástico) e até aço – geralmente é uma corda bem mais rápida e recomendada para pessoas experientes. Eu acho mais seguro começar com a corda de plástico”, aconselha o profissional de educação física.

Seus cabos são geralmente revestidos de espuma para evitar desconfortos nas mãos, e elas podem custar de R$10 até R$40.

O próximo passo é começar devagar e não ir com muita sede ao pote. Provavelmente vai ser preciso reaprender o movimento, não importa se tenha sido na infância. “A gente só começa a enxergar resultados nas atividades físicas quando elas são feitas de forma regular, ou seja, viram hábitos. E os hábitos só entram na nossa vida quando são introduzidos aos poucos”, explica Renata.

Como pular corda?

Em frente ao espelho e sob uma superfície plana, pule, rodando as mãos para que a corda dê voltas. Preste atenção em todo o corpo: dê saltos baixos (de, no máximo, 5 centímetros). Certifique-se de estar com a postura ereta, olhando para frente e com o abdômen bem contraído.

Lembre-se também se aterrissar com as pontas dos pés para não sobrecarregar o calcanhar (caso contrário, quem sofre é o joelho mais tarde), além de dobrar um pouco as pernas, não deixando-as totalmente estendidas.

Treino de corda

Willians explica que vale começar com um treino intervalado: 1 minuto de corda + 1 minuto de descanso. Faça isso de 10 a 15 minutos por dia. Depois, dá para aumentar o tempo e até partir para variações mais avançadas, como pular de um pé só, dar duas voltas com a corda em um único movimento (o famoso double under) ou até cruzar os braços (giro cruzado).

Comece a treinar hoje mesmo! Clique aqui e matricule-se já na Smart Fit mais perto de você.